At-Tambur.com - Músicas do Mundo

Como anunciar aqui?

Notícias

Canais: Principal | At-Tambur | Notícias | Curtas! | Recolhas | Instrumentos | Dança | Outros Sons | Internet | Grupos Musicais | Agenda

Principal > Notícias > Notícia

 

 

 

 

 

Museu de Etnologia
3.000 músicas tradicionais
Recolhas de Giacometti acessíveis ao público
In Jornal de Notícias (de 7 de Janeiro de 2001)

Mais de três mil temas da música tradicional portuguesa, recolhidos pelo etnomusicólogo Michel Giacommetti, vão finalmente ficar disponíveis para consulta no Museu Nacional de Etnologia, em Lisboa.

Ao fim de 15 anos no arquivo de frio, o museu conta apresentar até Junho a digitalização das recolhas de música tradicional realizadas por Michel Giacometti nas diferentes regiões do país, adiantou à Lusa o seu director.

Para Joaquim Pais de Brito, "é um passo muito importante até para a desmistificação desse espólio". "Pensa-se que Giacometti fez tudo e que não há mais nada a fazer; todavia, há um trabalho importante de recolha que deve ser feito por profissionais", justificou, não deixando de lamentar "que muitas recolhas, por mais louváveis que sejam, estão a ser realizadas por amadores, como por exemplo alguns profissionais de rádios locais".

O etnomusicólogo corso Michel Giacometti chegou a Portugal na década de 1950, iniciando uma recolha das músicas que eram feitas e ouvidas em vários locais do país. Em 1985 vendeu esse espólio ao Estado português por 7.500 contos (37.409 euros).

Giacometti "veio com um espírito novo de andarilho, calcorreando o país e demonstrando de repente que muitas coisas podiam ser ouvidas", afirma Pais de Brito. O investigador tinha um projecto de edição discográfica. Em 1963, alguns temas por ele recolhidos deram origem à "Antologia da Música Regional Portuguesa", editada em cinco discos que ficaram célebres pela original capa de serapilheira.

Pedrada no charco
"Dá-se então um efeito de deslumbramento e encantamento, de descoberta. De repente ouvimos o país, um país que não conhecíamos, um país longínquo que não era o dos discursos oficiais, que trazia algo de força de uma estética rude com particularidades regionais ao contrário do discurso oficial", recorda o director do museu.

A pesquisa do investigador corso, feita de Norte a Sul, evidenciou-se essencialmente por dois factores, o uso do gravador e a forma sistemática como a realizou. "Giacometti procurava o tónus local, procurava uma verdade, a que não era alheia uma intencionalidade política. As suas pesquisas foram uma pedrada no charco".

Antes de Giacometti há registo de várias recolhas, nomeadamente do diplomata inglês Rodney Gallop, ainda transcritas à mão, e as recolhas feitas por Armando Leça, que coincidiram com as comemorações dos Centenários em 1940.

A par da digitalização do acervo de Giacometti, a equipa de investigadores - constituída por etnógrafos e também elementos do Conservatório de Lisboa, graças a um protocolo assinado entre as duas instituições - realiza ainda trabalho de busca de forma a contextualizar as gravações, "aproveitando os novos contributos científicos nesta área".

Nem todas as fichas de campo feitas por Giacometti estão disponíveis. Parte do seu espólio é pertença do Museu Verdades Faria, em Cascais, e uma outra encontra-se na posse de uma familiar que se tem mostrado renitente em facilitar o seu acesso, explicou Joaquim Pais de Brito.

Reunir em CD
O acervo sonoro foi vendido por Giacometti ao Estado português, em 1985, com direito ao usufruto, o que trouxe "algumas complicações do ponto de vista da interpretação jurídica". A primeira preocupação de Pais de Brito é tornar estas bobinas acessíveis aos investigadores, "sem as manipular, antes de serem transpostas para um sistema de registo que as salvaguarde".

O processo de digitalização visa também um projecto discográfico. Isto é, o de reunir em CD alguns dos temas mais representativos numa colecção do museu "de modo a torná-lo acessível ao grande público".

Michel Giacometti residiu cerca de 40 anos em Portugal, tendo-se dedicado à pesquisa e registo dos cantares tradicionais portugueses. No total são 136 horas de gravações que se vão poder ouvir. O etnomusicólogo faleceu em 1990, encontrando-se o seu corpo sepultado, por sua expressa vontade, na aldeia de Pêro Guarda (Ferreira do Alentejo). Voltar ao Topo

 

 

Canais: At-Tambur | Notícias | Curtas! | Recolhas | Instrumentos | Dança | Outros Sons | Internet | Grupos Musicais | Agenda

Newsletter | Fórum | Chat | Pesquisas | Contactos | Publicidade | Quem somos

.....................................................